Projetos do curso de Relações Internacionais

Projetos do curso de Relações Internacionais
Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais - NUPRI

Rel-1.png

O Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais tem como objetivo fomentar atividades de extensão que vincule o ensino acadêmico a práticas culturais e profissionais (exposição, campanhas, editoriais, etc.). Abrangendo tanto graduandos como professores e sociedade civil, o NUPRI colabora para que o aluno seja inserido às praticas de pesquisa e fomentação de conteúdo cultural visando, desta forma, a complementação da formação dos alunos através de laboratórios de simulações, Observatório de Direitos Humanos, negociação, grupos de estudo, grupos de pesquisa, organização de eventos acadêmicos entre outros.

Comitê de Relações Internacionais - INTEGRI

Logo-Integri.png

O INTEGRI - Comitê de Relações Internacionais é a organização que representa os interesses dos alunos de Relações Internacionais do Centro Universitário IESB. Uma das principais funções deste comitê é contribuir para o aumento da participação dos alunos nas atividades da instituição, organizando campeonatos, trazendo palestras e desenvolvendo projetos e discussões. A organização tem como fim a integração dos alunos entre si, com os professores e com o próprio IESB. O INTEGRI - Comitê de Relações Internacionais é também um importante espaço de aprendizagem, cidadania, convivência e responsabilidade. Já foram realizadas pelo INTEGRI as seguintes atividades: COPAREL 2015, XI Semana Acadêmica de Relações Internacionais, I Debate Acadêmico e IV CINEPOL. 

Conheça mais sobre o INTEGRI em sua página do Facebook

Observatório dos Direitos Humanos

O Centro Universitário IESB em concordância com as Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos estrutura-se através do Projeto de Alto Padrão promovendo a educação para a mudança e a transformação social, compondo o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), seguindo os princípios de: I - dignidade humana; II - igualdade; III - reconhecimento e valorização das diferenças e das diversidades; IV - laicidade do Estado; V - democracia na educação; VI - transversalidade, vivência e globalidade; e VII - sustentabilidade socioambiental. No Curso de Relações Internacionais, a Educação em Direitos Humanos é trabalhada como um conteúdo específico de algumas disciplinas como Proteção Internacional da Pessoa Humana e Sociedade civil nas Relações Internacionais. Some-se a isto, a existência no âmbito nacional, a Lei de Diretrizes e Bases de Educação estabelecem que educar em Direitos Humanos é fomentar uma prática educativa "inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana com a finalidade do pleno desenvolvimento do educando seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”.

Desta forma, por meio deste observatório os alunos irão desenvolver a capacidade de visualizarem o mundo que os circunda com a “lente” dos direitos humanos, e que se situem como partes de um processo histórico permeado de avanços e retrocessos, onde irão conhecer os conceitos fundamentais referentes a direitos humanos. Aprenderão a examinar as violações de direitos humanos, investigar o papel da sociedade civil na proteção dos direitos humanos e municiar o aluno de instrumentos práticos para a intervenção no mundo contemporâneo.

A partir da experiência, os alunos conseguem abstrair conhecimento e interesse científico sobre os temas. Confira as monografias defendidas pelos alunos participantes do projeto: 

Política Nacional Brasileira de Enfrentamento ao tráfico de pessoas à luz do Protocolo de Palermo - Débora Rodrigues dos Santos

A retórica dos Direitos Humanos frente às Relações EUA-China - Glayciane Ferreira de Almeida

Análise das políticas de acolhimento do Brasil para os imigrantes haitianos legais pós-terremoto de 2010 - Fernanda Nóbrega Fernandes

Feminicídio: Crime por omissão do Estado - Taynara Pires Olivera

A problemática da Mutilação Genital Feminina - Kadija Kalassa Silva Lucena

Curta a página do Observatório no Facebook.  

Assista ao vídeo do projeto aqui

Os projetos do Observatório:
  • PROJETO DE SAMAMBAIA: REFUGIADOS

Rel-2.png

Para os alunos-voluntários do curso de Relações Internacionais ministrar aulas de português, sendo idioma preponderante e conector de toda a população brasileira, é um importante elemento de unidade, mas para os refugiados em Samambaia significa, muitas vezes, uma barreira. Além disso, desenvolvem  estratégias para a inserção cultural e organizam atendimentos médicos, suporte de documentação e confraternizações. Este projeto acontece todos os sábados desde 06 de fevereiro de 2016.

Conclui-se que a Educação em Direitos Humanos é um dos eixos fundamentais da Educação. Refere-se ao uso de concepções e práticas, e em seus processos de promoção, proteção, defesa e aplicação na vida cotidiana e cidadã de sujeitos do curso de  Relações Internacionais e de responsabilidades individuais e coletivas.

Local: Centro de Ensino Fundamental 120 QN 1207122 Conjunto 04 Lote 01. Área Especial. Samambaia Sul. CEP: 72.304-104.

Parceiro: INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Associação Popular de Cultura e Educação

CNPJ: 18.134.185/0001-92

Nome da Instituição: APOCE - Associação Popular de Cultura e Educação

Responsável pela entidade: Cristiano Mano da Silva

  • PROJETO DE PARANOÁ IMIGRANTES LEGAIS HAITIANOS

Rel-3.png

Para os alunos-voluntários do curso de Relações Internacionais, ministrar aulas de português, sendo idioma preponderante e conector de toda a população brasileira, é um importante elemento de unidade, mas para os imigrantes legais haitianos no Paranoá  significa, muitas vezes, uma barreira. Além disso, desenvolvem  estratégias para a inserção cultural e organizam atendimentos médicos, suporte de documentação e confraternizações. As aulas acontecem todos os sábados desde 09 de abril de 2016.

Conclui-se que a  educação em Direitos Humanos é um dos eixos fundamentais da Educação, refere-se ao uso de concepções e práticas, e em seus processos de promoção, proteção, defesa e aplicação na vida cotidiana e cidadã de sujeitos do curso de Relações Internacionais e de responsabilidades individuais e coletivas.

Local: Centro de Cultura e Desenvolvimento do Paranoá – CEDEP, QDA 9, AREA ESPECIAL 1 CJ D, PARANOÁ, BRASILIA, Distrito Federal.

Parceiro: Irmã Rosita Milesi-IMDH

Projeto de Economia Solidária

Projeto idealizado pela Professora Mestre Francisca Gallardo juntamente com seus alunos. Ele é uma proposta em construção que tem uma visão multidimensional, que vai para além do econômico e integra fortemente a educação, a cultura e a ação política para a transformação social, onde toda a comunidade acadêmica de Relações Internacionais cria atividades econômicas sustentáveis, geridas na base da cooperação entre os alunos, numa perspectiva de troca de acervo bibliográfico impresso ou digitalizado e de construção de outras relações sociais, emancipadoras e equitativas. Desta forma, os alunos do curso de Relações Internacionais de todos os semestres por meio do intercâmbio de materiais bibliográficos (livros, fotocópias, arquivos, etc) e tutoriais de disciplinas no local do NUPRI (Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais) desenvolvem a prática da economia solidária.

Semana Acadêmica de Relações Internacionais

Semana dedicada a todos os docentes e discentes de Relações Internacionais do Centro Universitário IESB e de outras Faculdades e Universidades, e estudantes interessados em temas pertinentes às relações internacionais. Semana de debates, palestras com professores mestres do curso e convidados externos especialistas na área de relações internacionais. Temas como terrorismo, capitalismo e teoria das relações internacionais já foram debatidos e aprofundados durante as semanas acadêmicas. Em 2016, o tema da Semana, que acontece em outubro, será África.

Rel-4.png

Laboratório de Comércio Exterior

Uma atividade extracurricular do Curso de Relações Internacionais onde os docentes de Comércio Internacional e Direito Internacional Privado, demonstram aos alunos como deve ocorrer o processo de internacionalização de uma empresa ou de um produto. Este laboratório permite ao futuro internacionalista colocar todos os conhecimentos adquiridos em sala de aula em prática. Assim, faz com que os alunos desenvolvam a capacidade de elaborar contratos internacionais, compreenda todos os documentos e termos técnicos da área de comércio exterior.

Laboratório de Negociação

Rel-5.png

Uma atividade extracurricular do Curso de Relações Internacionais onde o docente de Negociações Internacionais, juntamente com os formandos, demonstra aos novos alunos como é uma simulação de uma negociação Internacional nos moldes da ONU - Organização das Nações Unidas. Neste laboratório, o futuro internacionalista coloca todos os conhecimentos adquiridos em sala de aula em prática. Assim, faz com que os alunos desenvolvam capacidades argumentativas, fomenta o conhecimento dos alunos acerca de novos temas, faz com que ele entenda como funciona uma Negociação Internacional e a observar as políticas externas do país que cada um representa.

Projeto Integrador (PI)

Disciplinas cursadas ao longo do Curso de Relações Internacionais do Centro Universitário IESB. Os projetos integradores vêm demostrando que toda teoria necessita de prática, preparando, desta forma, o aluno do IESB para o mercado de trabalho desde seu ingresso no ambiente universitário até a formatura. Durante os projetos integradores os discentes colocam em prática o que aprendem em sala de aula produzindo análises em todos os âmbitos das Relações Internacionais. Analisam panoramas e cenários como se estivessem no ambiente de trabalho.

O Projeto Integrador IV (2°semestre de 2014), Análise das Relações Internacionais, se tornou em Projeto de Iniciação Científica (PIC-IESB-2015/2016) dos alunos Lucas Mendes e Rafael Marques.

Semana de Cinema e Política /CINEPOL

A Semana de Cinema e Política (CINEPOL) acontece desde 2013, sendo organizada pelos professores e alunos de Relações Internacionais, como uma oportunidade de discutir temáticas relacionadas ao curso. Os filmes exibidos são seguidos por discussões coordenadas por um professor especialista ou vários professores. Dessa forma, é possível alcançar maior profundidade em relação a assuntos abordados em sala de aula. Além disso, a diversidade de filmes apresentados e de pontos de vista permitem que um tema em comum seja visto a partir de diferentes perspectivas. As películas são seguidas por discussões e contribuem para o aperfeiçoamento do senso crítico e capacidade de análise dos alunos, assim como produzem uma base de conhecimentos mais sólidos gerados a partir de um ambiente frutífero de debate.

Cronologia dos temas:

2013: Capitalismo

2014: Terrorismo

2015: As teorias das Relações Internacionais

2016: Novo olhar do Oriente Médio

Rel-6.png

Grupo de Estudos de Mídia e Relações Internacionais

O Grupo de Estudos de Mídia e Relações Internacionais surge como uma proposta do Mestre e Doutorando de Relações Internacionais, Marco Antônio de Meneses, de se analisar os diferentes impactos da Comunicação Social e da Mídia na forma como o mundo se organiza, as pessoas se comportam e pensam, e como esse instrumento influencia a Política Internacional, criando diferentes agendas, sendo também utilizado de diferentes formas.  Além disso, a atividade possibilita a análise da evolução dos meios de comunicação ao longo do tempo, para difusão, disseminação e estabelecimento das Relações Internacionais. O grupo oferece aos alunos a possibilidade de aprofundar os debates, discussões e questionamentos no campo das Teorias das Relações Internacionais, principalmente os surgidos em sala de aula. Por meio de encontros periódicos, os alunos podem se tornar mais familiarizados com os temas chaves deste campo de estudos e as teorias principais que materializam as Relações Internacionais.

Levando em consideração que as teorias das Relações Internacionais já constituem em si, de modo essencial, como simplificações de uma realidade complexa demais para ser apreendida em todas as suas dimensões, assim como Política Internacional é um tema bastante problemático, tendo em vista a sua extensão, complicações e as suas diversas faces, por meio dos encontros e das atividades desenvolvidas pelo grupo, os envolvidos podem aproximar essa realidade de difícil apreensão a temas com os quais tenham maior contato, apurando o seu senso crítico e a forma como compreendem as teorias.

Como resultado da participação no Grupo de Mídia e Relações Internacionais, os alunos passam por um processo de amadurecimento, compreendendo melhor o desenvolvimento das tecnologias de informação e como têm sido utilizadas como ferramenta política. Produzem pesquisas, desenvolvem novos projetos, enriquecem o currículo acadêmico e aperfeiçoam os conhecimentos pessoais.

Adicionalmente, o Grupo de Estudos sobre Mídia e Política Internacional também trabalha em conjunto com a organização da Semana de Cinema e Política, no sentido de colaborar, levando conteúdos e conhecimentos produzidos no grupo para a comunidade acadêmica do curso e para o público em geral. Na edição do Cinepol de 2015, a temática Cinema e Teoria das Relações Internacionais foi inteiramente apresentada e debatida pelos participantes do grupo com conteúdos elaborados por eles, com grande êxito.

Debates Acadêmicos

Rel-7.png

Rel-8.png

Ítaca - Consultoria e Assessoria Jr.

Empresa Júnior de Relações Internacionais do IESB tem como objetivo primário desenvolver pessoal e profissionalmente os seus associados por meio da vivência empresarial, realizando projetos e serviços na área de atuação, tornando a Ítaca um polo de recrutamento para o mercado de trabalho.   

A Ítaca tem como principio ofertar: Tradução Livre, dos idiomas Inglês e Alemão; Assessoria Consular, proporcionando auxílio a cidadãos brasileiros e estrangeiros, bem como empresas, embaixadas e consulados, ONGs. E Consultoria em Comércio Exterior, diagnosticar falhas, criar soluções e localizar oportunidades.

Todo o Trabalho da Ítaca tem supervisão e revisão de profissionais das áreas de atuação. O projeto tem a supervisão do coordenador do curso de Relações Internacionais, Professor Paulo Mafra, do Professor Paulo Cesar Borges e Professor Fernando Dantas. A Ítaca ainda é acolhida pelo IESB Lab, onde será proporcionada a melhor estrutura e capacitação aos alunos envolvidos.

Núcleo de Gênero do curso de Relações Internacionais

N-cleo-de-G-nero-REL.png

A iniciativa do projeto “emancipacionista” do Núcleo de Gênero do curso de Relações Internacionais do IESB segue o movimento ativista de mulheres no Brasil, que vem se fortalecendo desde meados dos anos 70, e é marcado não apenas pela ampla mobilização em torno de questões específicas de gênero em nossa sociedade, mas também pelo crescente interesse em estudos e pesquisas em torno dessa temática.

Com uma abordagem dinâmica e inovadora, o IESB destaca-se entre as instituições de ensino pela combinação da teoria e da prática como pressuposto fundamental para uma formação de qualidade. Com infraestrutura única e estética diferenciada, o IESB consolida sua reputação em aliar tecnologia, modernidade e ousadia na formação de profissionais disputados pelo mercado de trabalho em áreas tradicionais e criativas, até então, pouco exploradas em Brasília. 

Tão importante quanto a capacitação de profissionais competentes, o IESB estabelece como uma de suas bases, a formação de cidadãos conscientes de seu papel no mundo. Questões de responsabilidade social e temas sociais emergentes são elementos intrínsecos do trabalho da instituição e da formação dos alunos.

Nos últimos anos, destaca-se o surgimento de grupos ou núcleos de estudos com perspectiva de gênero em diferentes universidades brasileiras, públicas e particulares, bem como em associações científicas nacionais, constituindo-se em espaços privilegiados para a necessária permuta de experiências e o aprofundamento de reflexões teórico-metodológicas sobre a problemática da mulher e das relações de gênero.

Assim, o curso de Relações Internacionais propõe a criação do Núcleo de Gênero do IESB, com nome de UNITI – que seria a tradução de unidos em italiano. O Núcleo se constitui como espaço aberto de estudo e debate acadêmico que hoje já dispõe de uma equipe:

Professora coordenadora: Francisca Gallardo  

Alunas (os): Amanda Costa, Ana Paula Costa, Elaine Silva da Luz, Lucas Velarme, Maria Luiza Vietes, Matheus Ribeiro e Shara Almeida

Especialista externo: Eric Diniz

Pesquisadora externa: Ana Aureliano

SINEI- Simulação de Negociações Internacionais

LOGO-SINEI-FINAL.png

A SINEI é um modelo de simulação de negociações internacionais inspirada nas reuniões decisórias de diversas Organizações Internacionais, em especial, a ONU. Essa atividade visa o aperfeiçoamento da capacidade de debate, retórica, argumentação e persuasão dos participantes. O evento foi criado em 2006 por alunos do curso de Relações Internacionais, os quais idealizaram, estruturaram e executaram três edições muito bem sucedidas da Simulação.

Principais Objetivos

  • Promover o curso de Relações Internacionais do IESB no ensino secundarista e mesmo em outras instituições de ensino superior.
  • Promover um intercâmbio de conhecimento entre os alunos de Relações Internacionais e alunos de Ensino Médio por intermédio da prática com negociações internacionais.
  • Estimular a oratória, o trabalho em equipe, a persuasão, a capacidade de debate e diversas outras habilidades necessárias ao bom desempenho profissional.
  • Unir teoria e prática, proporcionando ao aluno o aprendizado dinâmico em um ambiente de negociação, no qual ele atuará como um diplomata, advogado, jornalista, cientista político, etc.

Reestruturação e Próximas Edições

O projeto está em fase de reestruturação e espera ressurgir já no próximo semestre.

SINEI 2016: Evento teste destinado apenas aos alunos de Relações Internacionais do IESB.

     Após quase dez anos, o projeto SINEI é retomado e precisa passar por nova reformulação. Contudo, preservando os objetivos e valores iniciais. Sendo assim, a quarta edição da Simulação pretende colocar em prática o legado da SINEI, de modo que possamos ajustar e aprimorar esse modelo de negociação. 

SINEI 2017: Evento aberto destinado a secundaristas e a estudantes do ensino superior.

       No próximo ano, esperamos realizar o evento em sua abrangência original com um número maior de comitês e participantes.

ATIVIDADES EXTERNAS

COPAREL

A COPAREL DF INTERUNIVERSIDADES foi uma iniciativa dos estudantes de Relações Internacionais do Distrito Federal. Representantes do IESB, assim como da UnB, UDF, UniCeub e UCB, criaram uma Comissão Organizadora do Evento. A proposta era a realização de uma competição esportiva entre as universidades tendo por objetivo promover a integração dos estudantes e instituições.

O evento ocorreu nos dias 31 de outubro na Universidade Católica, 1º e 8 de novembro de 2015 no Centro Olímpico da Universidade de Brasília. As provas ocorreram entre as 12h e 19h. As modalidades realizadas foram o futsal feminino e masculino, atletismo (100m e 2000m), vôlei misto, queimada mista, truco e xadrez.

O IESB terminou em segundo lugar geral da competição com três medalhas de ouro (futsal feminino, truco e 100m) e uma de bronze (queimada), ficando atrás apenas da UnB. O Quadro de Medalhas foi completado respectivamente por UCB, UDF e UniCeub.

A iniciativa foi bem sucedida, tanto em integrar os estudantes de Relações Internacionais como em unir os alunos e docentes da própria instituição. Era permitida a participação de estudantes, professores e egressos de RI nos times. Os alunos do IESB e o professor João Paulo marcaram presença nos jogos e na torcida defendendo a instituição.

Devido ao sucesso da COPAREL DF, a Comissão Organizadora decidiu realizar anualmente a competição esportiva. A segunda edição está prevista para acontecer em setembro de 2016, agora com a inclusão de universidades do Centro Oeste, ampliando assim o alcance do evento e cada vez mais a busca por integrar os alunos de Relações Internacionais.

Congresso de Defesa

O Congresso Acadêmico sobre Defesa Nacional é uma atividade de cunho educacional e cultural promovida pelo Ministério da Defesa, por intermédio de seu Departamento de Ensino, e pela Academia de Formação de Oficias de Carreira que o sedia, e tem como objetivos: a) estimular a interação entre as escolas militares e as Instituições de Ensino Superior civis, seus alunos e professores; b) despertar nos congressistas civis o interesse por temas relacionados à segurança e à defesa; c) estimular universitários, aspirantes da Escola Naval (EN), cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) e da Academia da Força Aérea (AFA), a refletirem sobre problemas da atualidade, em particular, os de interesse da Defesa; d) promover o debate acerca de problemas relevantes para o País; e e) contribuir para a consolidação de uma cultura de defesa no Brasil.

A participação dos discentes e docentes do curso de Relações Internacionais ocorre desde 2012, e todo o ano é informado e divulgado o edital para a seleção dos graduandos e, assim, montar a equipe no qual representará o Centro Universitário IESB durante o congresso acadêmico.